O Pequeno Príncipe - Amor e Amizade

Postado por Rô Maia

Ser responsável por todos que cativamos...

“Certa manhã, (o narrador) é acordado pelo Pequeno Príncipe, que lhe pede: "Desenha-me um carneiro"? É aí que começa o relato das fantasias de uma criança como as outras, que questiona as coisas mais simples da vida com pureza e ingenuidade. O principezinho havia deixado seu pequeno planeta, onde vivia apenas com uma rosa vaidosa e orgulhosa. Em suas andanças pela Galáxia, conheceu uma série de personagens inusitados – talvez não tão inusitados para as crianças!

Um rei pensava que todos eram seus súditos, apesar de não haver ninguém por perto. Um homem de negócios se dizia muito sério e ocupado, mas não tinha tempo para sonhar. Um bêbado bebia para esquecer a vergonha que sentia por beber. Um geógrafo se dizia sábio, mas não sabia nada da geografia do seu próprio país. Assim, cada personagem mostra o quanto as “pessoas grandes” se preocupam com coisas inúteis e não dão valor ao que merece. Isso tudo pode ser traduzido por uma frase da raposa, personagem que ensina ao menino de cabelos dourados o segredo do amor: “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”.

(http://www.paralerepensar.com.br/exupery.htm)


Um livro que era para ser somente um livro... Com sua singela fábula, ensina-nos poder inestimável do amor incondicional e da amizade. Muitos já falaram sobre o amor incondicional, muito mais ainda sobre a amizade.






Quero falar sobre o que representa essas duas coisas para mim... E por isso, escolhi como ponto de partida esse maravilhoso livro. A amizade é uma construção diária de verdade, de doação ao outro, de confiança. Não são todos que podemos chamar de amigos, mas quando o chamamos é porque, com certeza, daríamos a vida por essa pessoa. E se para faze-la feliz, for preciso afastar-se, mesmo que essa atitude nos doa no fundo do coração, assim o faremos, assim como fez o Pequeno Príncipe que pega “carona” na calda de um cometa para ir a outros planetas e tentar esquecer sua Rosa, porque acreditava que esse era o melhor para ela.

Estranho esse sentimento, não é? Conheço pessoas que diriam que isso é “doentio”. Outras, acho que me entenderiam. Graças a Deus, somos diferentes um dos outros e mesmo em nosso comum sentimento de egoísmo – vejam, para mim, o que difere uma pessoa da outra é como ela ama, o que nos iguala é como somos egoístas. Mas vejam, é a minha opinião.

Então, caímos no tema “Amor”. Ah... Não existe amizade verdadeira se não houver amor. E todo mundo sabe porque... Mas... Assim como a Rosa, egoísta e orgulhosa, que quer ser amada, mas não se doa, há uma infinidade de pessoas que fazem da amizade um caminho para o “status social”, há pessoas que se apóiam em outras para alcançar objetivos internos e fundamentalmente, “tapar o sol com a peneira” a falta de auto-estima. Essas não sabem que “amor só se paga com amor”, nem o que é "amar incondicionalmente”. Querem para si o que lhes pertencem e o que pertence ao outro por puro capricho.

Já o amor incondicional, aquele que nada exige, apenas existe, não quer pertencer ou ter para si, porque ele o é por si só. Esse doar-se, esse entregar-se é algo tão raro e tão frágil que poucos percebem...Até mesmo entre amigos.

A lição do Pequeno Príncipe é tão simples e existe dentro de cada um de nós. Alguns sabem usar com maestria para manter-se sempre amando verdadeiramente, outros a destroem dentro de si mesmos por medo da verdadeira entrega. Vemos histórias lindas de crianças adotadas e amadas, independente de seu caráter ou aspecto físico. Vemos jovens dedicando-se a seus pais doentes, com o carinho que os mesmos, quando sadios lhe ofertaram, sem medo de perderem sua juventude por estarem em meio a essa doação. Mas também vejo filhos que tripudiam seus pais e, ironizam; e, os ridicularizam para seus amigos, só porque eles em algum momento, apontaram uma falha, porque temos falhas. Vejo pessoas dizendo-se aceitar a adoção, mas sempre com desculpas para não a concretizar.

Mundo difícil porque as pessoas são difíceis. Então, vem um Pequeno e Frágil Príncipe e nos mostra que se for preciso morrer para estar perto de um amigo, de alguém que amamos, que morramos então, ou a vida não terá sentido.

3 comentários:

  1. Principe Encantado disse...

    A vida sem amor, amizade e carinho não é vida e nós precisamos destes elementos dentro de nós. Muito bom o texto amiga.
    Abraços forte

  2. Jullyana Albuquerque disse...

    Bom texto, sobre um clássico da literatura universal. o livro infantil mais adulto que já criaram!

  3. Ana Lucia Nicolau disse...

    nossa! realmente tudo isso, nem tenho o que comentar para completar seu pensamento....

Postar um comentário